Visita à “cervejaria” Guinness I

A palavra cervejaria está entre aspas de propósito. Assim como as aspas marcam uma citação em um texto, elas também acabam fazendo as vezes de um sinal para indicar ironia – apesar de que um bom texto não precisa desse artifício para demonstrá-la. Enfim, eu empreguei as aspas para ironizar o conceito cervejaria na Guinness Storehouse. Não sei se por ignorância ou pura ilusão, eu acreditei que visitaria uma das plantas onde se faz esta stout. Na verdade, a Guinness Storehouse, em Dublin, nada mais é do que uma estratégia de marketing da companhia dona da marca Guinness, a multinacional Diageo. A Diageo tem marcas como Johnnie Walker, J&B, Bushmills, Smirnoff, Captain Morgan, Baileys, Jose Cuervo e outras. Pronto, foi a maior decepção da viagem à Irlanda, a visita à fábrica que não é fábrica, mas sim pura propaganda e mistificação da marca.

Cerveja é um dos assuntos de que mais gosto. Quem me conhece, sabe que virei uma curiosa desse mundo após ter trabalhado como RP na Bier & Wein Importadora. Eu gosto mesmo, gosto de provar, ler e falar sobre o assunto, mas Deus me livre de virar uma beer geek chata. Tenho o The Beer Project junto com o Erik (provar ao menos duas cervejas novas por dia), que está meio parado, e coleciono rótulos. Com essa contextualização, dá para entender que fiquei desapontada. Vale ressaltar que a visita custa 14 euros, não é barata. São 14 euros para um bombardeio de publicidade Guinness. O lado bom é que há um bar ótimo no topo do prédio, com vista panorâmica da cidade e um pint muito bem servido incluso no valor do ingresso.

A Guinness Storehouse fica em um complexo de prédios com a marca Guinness, e apenas um serve de centro de visitação. É uma das atrações turísticas número um em Dublin.

A entrada para a atração fica nessa rua:

Entrada para a Guinness Storehouse
Saguão – ansiosa para entrar na “fábrica”.

Depois de passar por lojas cheias de quinquilharias da marca, o primeiro piso apresenta os quatro ingredientes da cerveja. Note-se: de qualquer cerveja, mesmo que o marketing Diageo dê uma forçada de barra e insinue, por vezes, que certas características pertencem somente à cerveja Guinness. Os quatro ingredientes são:

Água

Lúpulo

Nessa parte eu me empolguei, queria cheirar lúpulo fresco, de verdade.

Aí outra decepção mor: o lúpulo era falso, de tecido. Diageo, dica de marketing: lúpulo de verdade seria um sucesso, pois a maioria das pessoas nunca viu, nem pegou, nem sentiu o cheiro dessa flor tão aromática (e parente da maconha).

Bonito, mas falso
Levedura (fermento)

A Guinness tem uma levedura exclusiva.

Levedura na garrafa dentro do cofre
Malte
Malteação da cevada

No próximo post, o próximo andar, onde se explicava o processo de fazer cerveja.

Anúncios

9 comentários sobre “Visita à “cervejaria” Guinness I

  1. Quando comecei a ler este post, com você explicando o uso das aspas, me lembrei do episódio de Friends no qual o Joey as usa das formas mais erradas possíveis rsrs (Lou, aposto que o David pensaria a mesma coisa, né?)
    E tenho o maior orgulho de dizer, que sim, eu sou uma das pessoas que sei como você aprecia cervejas. E sempre que você fala sobre isso não tenho como lembrar daquele fim de ano que você queria que eu e o Vi provássemos (com você dando na boca, claro) a 8.6 quente hauuahahauhauha – tenho certeza que VC não se lembra disso. Hilário!

    Curtir

    1. Camila

      HHAAHAHHAHHAHAHAHA, sim, eu me lembro, e sabe por que? Porque eu tenho uma foto desse fato magnífico, hehehhe… Eu já te mostrei?
      Se eu achar, vou postar lá no facebook, junto com aquela foto das 8.6 que você postou. 🙂

      Curtir

  2. Pingback: Visita à “cervejaria” Guinness II «

  3. Sei bem do seu interesse por cervejas, imagino como foi frustrante esta visita a Ginness. Mas, apesar de você ter esta opinião, acho bem difícil deles mudarem esta estratégia, ela tem dado muito certo. Beijos.

    Curtir

    1. Com certeza! Na verdade, dá mais do que certo, né? E também nem todo mundo gosta de se meter nesse mundo da cerveja, então, nem todo mundo é expert, a começar por mim. Acaba virando uma atração turística de “curiosidades” sobre Guinness, creio que excelente publicidade para a marca.

      Curtir

  4. Opa! Aqui está mais uma fã da nossa expert em cervejas do mundo inteiro! Não me deixem de fora 🙂
    Adorei este post mostrando toda a aventura de uma passeio bastante interessante para vcs dois, tão apreciadores de cerveja.
    Compreendo tudo que escreveu acerca da empresa e o uso que fazem disso, que poderia resultar em uma experiência muito mais interessante, mas creio que vale a pena visitar e adicionar mais algumas informaçõezinhas que sempre aprendemos, em lugares como estes.
    Gostei do look!

    Curtir

    1. É isso mesmo, Carol, exatamente. Sempre temos algo a aprender, e foi legal para se distrair.
      Mas acho que não sou assim essa expert para ter fãs, hehehe… Sou só curiosa mesmo, ainda aprendendo muito. Na verdade, ando meio parada nisso. Mas nunca me esqueço de quando você me contou que foi em um bar com o Peterson, pediu Erdinger e ainda serviu com toda a pompa. 🙂

      Curtir

  5. Poor disappointed beer geek friend…:( Sidenote: all the “brewery” tours Europe (at least Carlsberg in Copenhagen, Heineken in Amsterdam, Staropramen in Prague) are located in the old brewery buildings where you’d usually see a general, brand related exhibition on how that type of beer is made with some tasting option at the end of the “factory” tour. Due to healthcare reasons, you’d rarely find real brewery tours for big brands. Micro breweries on the other hand would guide you around in their breweries most likely when they are not fermenting the beer (again, quality assurance). You should visit micro breweries in Denver and in Belgium, it’s fun! 🙂

    Curtir

    1. Yeah, I know, one of the things I want to do the most is visiting smaller breweries. For some reason I had hopes I’d see one the breweries where Guinness is made, illusions, don’t really know why. I’ve visited one in Brazil and enjoyed it a lot, but never in Europe so far. Didn’t know it was common practice to have all these (advertising) guided-tours, but how could it be different, right?
      I have a short list of beer countries to visit and Belgium ranks high.
      Cheers! 🙂

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s