Os números de 2012

Novamente a equipe do WordPress envia aos blogueiros o relatório com os números do ano de 2012. Veja o de 2011 aqui. É sempre legal ver o número total de acessos, os posts mais lidos e outras figuras de métrica, mas ultimamente – e acho que este é um problema que afeta todos os blogueiros mais cedo ou mais tarde – tenho pensado se vale a pena continuar. Motivos para terminar este blog:

1) Tempo

Tempo é preciosíssimo e eu tenho um milhão de interesses. A vida é curta, um clichê verdadeiro, e eu já percebi que não terei tempo para fazer tudo o que quero. Então tenho que otimizar mesmo o uso do tempo. Fazer este blog, especialmente com o projeto de mostrar todas as viagens, me toma muitíssimo tempo. É incrível como demora para selecionar imagens, editá-las (apenas em tamanho, eu nem me atrevo a usar um editor de imagens como o photoshop), categorizá-las em posts, escrever o conteúdo, editar o post etc etc… Um post bem feito pode levar cerca de duas horas. Como o meu propósito aqui era mostrar o que eu estou fazendo nestas terras gélidas, acabei também mostrando o que estou fazendo quando estou em outras terras. Isto leva ao segundo e último motivo. E ainda assim eu sinto que os posts não dizem nada.

2) Propósito

Eu sinto que este blog perdeu o propósito. Eu já não mostro muitas coisas da Suécia e nunca mostrei muitos aspectos interessantes. Acabo blogando bastante sobre viagens, porque quero que vocês participem e vejam o que eu vi; mas aí que acabou virando um blog sobre viagens e este não é o propósito do blog. Eu nunca quis ser uma blogueira de viagens, acho chato. O que é o centro das minhas ruminações, porém, é a questão do propósito como um todo, em um nível mais profundo. Estou pesando a equação muitas horas gastas X atividade que perdeu o propósito. Eu sempre tive uma ideia muito clara na cabeça antes de vir para a Suécia, a de que eu não tinha um blog porque não tinha nada a dizer que justificasse a existência de um blog. Daí que com a mudança para a Suécia, achei que um blog seria a ferramenta mais adequada para deixar todos a par de que raios estou fazendo neste país estranho. Assim eu evitaria escrever mil e-mails com as mesmas notícias. Acontece que o blog é público então há muitos lados de todas as histórias que não são contados. Acaba virando álbum de fotografias onde eu sempre estou feliz, seja viajando ou cozinhando em casa, e com poucos acontecimentos, pois os posts estão sempre atrasados e a narrativa perde a vitalidade – além da narradora.

Eu ainda não me decidi e sei que vou ao menos terminar as viagens. Enquanto eu não chego a uma conclusão, seria ótimo ter uma ajuda. Deixem sua opinião nos comentários (sem confetes) e sugestões para mudanças, temas de posts, séries, categorias, o que for, caso este blog ainda exista em 2013.

Por enquanto, vamos aos números de 2012 para este blog:

Números

21.000 acessos (views, não são 21.000 pessoas, são 21.000 coisas vistas)

151 novos posts

Artigos mais visitados de 2012

1) Cenas de Khajuraho II: esculturas eróticas

Por que será?

2) Cenas de Khajuraho III: mais esculturas eróticas

Por que será?

3) Tudo o que você precisa saber sobre fast food

4) Lasanha de beringela

5) Cenas de Vrindavan: o templo Hare Krishna

Termos de motor de busca

São as expressões que a gente joga no google. As mais usadas e que levaram a este blog foram:

camila in sweden

cenas eroticas

camila in swden

cenas eróticas

tudo sobre fast food

Ou seja, quem chega a este blog é porque ou me conhece, sabe do blog e quer lê-lo, ou quer ver pornografia. :/

De onde mais acessaram

1) Brasil

2) Portugal

3) Suécia

Anúncios

21 comentários sobre “Os números de 2012

  1. Comecei a acompanhar o seu blog por acaso, justamente pelo “propósito errado”. Gosto dos seus relatos de viagem, especialmente em destinos pouco visitados por Brasileiros, que têm poucos guias editados em português.
    Sei o trabalhão que dá manter um blog (também passo horas criando cada post) mas gosto muito do que vejo e aprendo por aqui!
    Que 2013 seja um ano de ótimas viagens!

    Curtir

    1. Oi Nanda!

      Nossa, muito obrigada pelo seu comentário super fofo. Ele pôs um sorriso no meu rosto aqui do outro lado da tela. Eu não tinha pensado nessa questão dos guias em Português e acredito que aí, sim, talvez este blog ajude um pouco. 🙂 Espero que sim.

      Mais uma vez, muito obrigada pelo comentário, me animou! Espero vê-la mais vezes por aqui.

      Um abraço,
      Camila

      Curtir

  2. Fiquei triste ao pensar que o blog poderia acabar. Concordo plenamente com você que a vida é curta e que a falta de tempo é um problema recorrente, então temos que escolher bem ao que dedicaremos nosso tempo.

    Quando você foi morar na Suécia e falou que faria um blog para contar suas aventuras, eu achei o máximo, pois poderíamos acompanhar um pouco do seu dia a dia, mesmo que aqui não conte tudo nos mínimos detalhes.

    Mas o bom de ler o blog, para quem te conhece, é sentir que ainda fazemos parte da sua vida, sabe? Ler o blog e saber sobre suas viagens, algumas de suas impressões, é como se estivéssemos conversando com você, bem aquela conversa de amigas, contando como foi o fim de semana, o feriado, o almoço com a família, etc. Ler o blog, ver as fotos, faz com que os muitos quilômetros que nos separam não pareçam muitos assim, afinal a Suécia, a Irlanda, a Índia, a Turquia, os EUA, Portugal, Inglaterra, são logo ali!

    Apesar de parecer que o blog se tornou um álbum de fotografias que você está sempre sorrindo e feliz, acredito que tem feito muita bem para muitos leitores. A felicidade inspira as pessoas e as conquistas também. Quando leio que você está se saindo bem no curso de sueco, que vai viajar para outros países; ou sobre os cursos e novas áreas de estudo que te interessaram, que comemorou mais um ano na Suécia, fico muito feliz, me inspiro, reflito sobre minha vida, sobre minhas atitudes.

    Mas, claro, que concordo com você, dedicar horas por semana para fazer um blog de viagens e não sentir prazer algum, é muito ruim. Você é jornalista, gosta de aprender, ensinar e escreve muito bem. Acredito que uma maneira de fazer os posts parecerem tão álbuns de fotos é escrever suas sensações sobre os lugares, não exatamente um roteiro do que fez. Você faz isso em alguns posts. Aquela série sobre a Índia foram os textos que mais fez isso. Você colocou muito das suas sensações.

    Também não acho que precise postar sobre todas as viagens, descrever todos os passos. Acho que poderia escrever sobre fatos e momentos que realmente ficarão para sempre na memória, que vale a pena compartilhar, que farão diferença na sua vida. Não estou dizendo com isso que seus posts não são legais, que eu não goste ler. Bem, eu adoro! Mas, não estamos falando sobre mim, e sim sobre você. Eu vou adorar também falar mais vezes com você por e-mail, skype para saber sobre o que você quiser me contar, não o que se sente obrigada a contar porque você tem um blog para falar sobre suas viagens.

    Enfim, eu não sei se ajudei, se deixei você mais confusa. Mas, saiba que gosto muito do seu blog, mas ficarei mais feliz sabendo que você dedicará seu tempo para algo que realmente gosta de fazer, e se não for escrever para o blog, que assim seja. Você merece ser feliz!

    Um beijão.

    Curtir

    1. Valéria H.

      Que bonito o comentário da Dayane, vou comentar em breve tbm, mas concordei com tudo que ela disse! Só seria mais enfática para não terminar, não!!! 😉

      Curtir

    2. Day, que comentário… Não sei o que dizer, apenas a verdade, que amei. Você me fez pensar sobre coisas que parecem óbvias, mas que eu não havia percebido antes. Fiquei muito feliz de saber que a leitura dos posts é como conversar comigo, além da questão da distância que se encurta. Eu fiquei muito feliz de ver que essas são as suas impressões mesmo, e não objetivos que este blog não cumpriu.

      Também fiquei muitíssimo feliz de ler o parágrafo sobre inspiração, sobre o incentivo a refletir sobre a sua vida também. Eu não imaginava que este blog tivesse esse efeito. Muitas vezes eu fico apreensiva de postar muito sobre conquistas, sobre a vida boa de viajar, sucessos, pois não quero que aparente que eu estou “me achando”. Às vezes eu penso que falar muito dos sucessos pode oprimir um pouco os outros. Os insucessos também existem, a diferença é que eles não estão aqui na maior parte das vezes.

      Gostei da sugestão das impressões. Eu tentei fazer isso ativamente, conscientemente nos posts sobre a Índia, e parece que deu para perceber. 🙂 O problema é que se torna difícil de escrever sobre as impressões de uma maneira que soe genuina, quando já passou muito tempo desde a viagem. As impressões perdem um pouco das cores. A solução é não demorar muito para postar sobre as coisas que estou fazendo, claro, mas não é tão simples. Durante as viagens simplesmente não dá, por vários motivos. O primeiro é que eu realmente não quero desperdiçar o meu tempo em um lugar legal sentada em frente a um computador. O segundo é que eu não viajo com o notebook, seria um saco, é muito pesado, pode ser roubado etc. É uma excelente maneira de desconectar um pouco, já que eu passo tanto tempo no computador normalmente. O terceiro é que, de fato, em muitos lugares visitados, não há bons computadores nem acesso à Internet, como é o caso da Índia. Quando há computadores em um hostel, não rola ocupá-los por duas horas. Em certos países, mais “desenvolvidos” simplesmente não há internet cafés!

      Eu gosto muito de fazer este blog, é neste começo de ano estou muito pragmática e as coisas estão bem claras em minha cabeça. A ideia de terminar não surgiu ontem, já considero isso há um tempo. Mas ainda não sei. Mas você me ajudou muito! Super obrigada por este comentário maravilhoso!!!

      Um beijão!

      Curtir

  3. Valéria H.

    Oi, Camis, novamente 🙂
    Bom, quero dizer que a Dayane já falou muito do que penso.

    Vamos conversar primeiro sobre os motivos para terminar o blog…

    O tempo é uma questão complicada mesmo. Ai, eu acabo pensando várias coisas, é difícil escrever!!
    Você tem vários interesses, mas um deles deve ser escrever, pelo que percebo, e isso você pratica muito no blog.
    Eu mesma percebi isso com o meu, escrever é um exercício que requer muita prática, vejo como estou enferrujada, como demoro tanto para conseguir dizer coisas simples.
    Por esse ponto de vista, não é simplesmente um passatempo, é em certa extensão o exercício do seu talento, da sua habilidade.
    Você dizer que os “posts não dizem nada” acho extremamente injusto. Como leitora, posso garantir que seus posts me fazem pensar em muitas coisas, mostram lugares, situações novas com a sua visão, que é algo tão particular.
    Como a Dayane ressaltou, é uma maneira de mantermos contato. Apesar de e-mails serem mais pessoais e você poder expor mais como está se sentindo, talvez o lado obscuro das coisas mesmo, convenhamos que seria muito difícil você escrever um e-mail para cada um dos seus grupos de amigos para contar como estão as coisas, então por mais que estes sejam apenas fragmentos da sua vida, fico contente por vê-los, por sentir que estou conectada de alguma forma a essas novas e diferentes fases da sua vida.

    Sem o blog, saberíamos menos ainda de você, o que tem feito, como tem aproveitado as coisas. Talvez você se sinta obrigada a comentar cada viagem e a manter a alta qualidade das postagens, mas Camis, também não transforme algo que deveria ser um prazer em um fardo, né? Eu reconheço isso em mim em muitas coisas que fiz. Quando eu estudava piano, isso foi um problema. Deixou de ser uma diversão, passou a ser algo que eu precisava fazer bem e nunca parecia estar bem. Com certeza se eu tivesse continuado, hoje estaria melhor com do que sem.
    Você não precisa fazer posts de que não goste… se o caminho que o blog tomou não te agrada, você pode recolocá-lo nos trilhos, de uma maneira que te agrade mais.
    Eu gostos dos posts sobre viagem,como você escreve, mas também gosto dos posts que contêm mais de você, sua casa, até esses momentos na cozinha, os que ressaltam mais seus gostos. Por exemplo, você deixou de comentar a Harper’s, eu achava legal. Claro que se você não quer mais fazer, tudo bem, tenha certeza de que não lemos o blog para nos entreter e encontrar coisas agradáveis… hehe… Eu venho aqui para saber de você, para ver o que você tem a dizer. Por isso até tinha comentado para você falar sobre música, seria legal.

    Mas também você estava um pouco negativa ao escrever esse post, hein? “nunca mostrei aspectos interessantes”. Como não??? Eu adorei os posts da Suécia, sobre como é estudar aí, sobre reciclagem, as fotos de lugares que nunca tinha visto. “blogueira de viagens” achei ótimo… hehehe… Camis, seria chato se fosse tipo “Cláudia Viagem”. Sobre o propósito geral, mas profundo… sabe, eu fico me perguntando se não supervalorizamos a profundidade das coisas… Gostaria de ver uma lista de motivos para continuar com o blog!
    Eu tenho esse problema de blog público também, entendo. Eu comecei querendo escrever sobre coisas super pessoais… mas acabo querendo ter leitores tbm, de alguma forma… As listas foram uma maneira de manter postagens possíveis. Por exemplo, se vou falar do meu Natal, não preciso falar que a tal hora chorei e tal e tal, posso me manter no que foi estabelecido pela lista. Outra coisa, em tudo que faço, minha religião é muito presente, então às vezes me pergunto se não é a maior falsidade tudo que estou escrevendo se não mencionar essa parte, mas também se eu ficar falando de religião e hábitos etc., não vai parecer que quero fazer um blog evangelizador, sei lá. Acho que se as pessoas quisessem saber sobre essas coisas, me perguntariam, mas ao mesmo tempo não falar não imprime quem sou, ai, é complexo!
    Você tem vários seguidores, e eles não clicaram ali por acaso, né… Gostam do que você escreve. Meu blog tem problema de propósito também, e fico até meio assim quando alguém começa a me seguir, pq a pessoa vai no post de emagrecimento, pode achar q o blog é sobre isso, mas o próximo já é sobre livros, ou sobre comida. Meus posts acabam não sendo tão genuínos quanto ao que acontece na minha vida, mas tbm às vezes encaro como um depósito das melhores partes ou de partes ruins que sobrepujei ou que ainda quero consertar.

    Sinceramente, ficaria triste se seu blog terminasse. E acho que você poderia escolher ou falar sem tantos freios e manter o blog particular, ou continuar com ele público e se cobrar menos quanto à profundidade e exatidão das coisas. Nós sabemos que você não está sempre feliz… Saiba que não parece que você está querendo vender uma imagem de felicidade. Acho que o blog é a expressão do que você considera válido ser dito, emitir opinião ou compartilhar. Em muitos outros veículos você não poderia demonstrar seu “gosto”, aqui você pode.

    Olha a parte das estatísticas é fogo… hehe… Imagino que tenha sido desanimador para você ver que a maior parte dos artigos foi sobre esculturas eróticas e achar que estão acessando seu blog procurando algo que não é o alvo das postagens.
    Isso também acontece comigo… no Natal, então… nossa, o que tinha de gente procurando cartão de presépio, um monte de coisa que nem encontraram. A top busca atualmente é sobre figurinhas Amar é… E o pior é que as pessoas nunca, NUNCA clicaram no link que coloquei para milhares de figurinhas Amar é, ou seja, chegam por um propósito nada a ver e saem sem ter encontrado o que procuraram. A maioria das buscas no meu blog é frustrada. Quando comecei a ver isso fiquei meio assim… Poxa, essas pessoas chegam aqui procurando algo que não vão encontrar… Bom, também não é minha culpa, né?
    Eu não estou fazendo o blog para elas, e elas também podiam aprender a procurar melhor no google… hehe
    Sobre essa parte que as pessoas já te conhecem e sabem do blog, na verdade o que pode acontecer muito é que a pessoa já viu seu blog por algum motivo, mas não lembra o endereço. Acho que você devia achar legal alguém visitar uma vez e querer voltar!

    Escrever post dá trabalho e comentário também… hehe… não sei se fui muito clara no comentário. Acho legal você estar passando por essa reflexão, e penso que você deve fazer algo que te dê prazer. Como disse, gosto muito de ler aqui e o que você quiser compartilhar, vou querer saber o que é, porque gosto de acompanhar tanto o que você está fazendo, como o que pensa sobre essas coisas. Sei que pareci uma louca stalker falando isso… hehehe
    Bom, por hoje é só, talvez eu volte para comentar com mais clareza essas coisas. 🙂
    Beijos!!

    Curtir

    1. Oi Valéria!

      Obrigadíssimo por esse comentário longo maravilhoso.

      Quanto à questão da escrita, eu me lembro que, quando comecei o blog, decidi não em esforçar muito em escrever. Decidi que eu escreveria da mesma maneira como escrevo um e-mail ou uma nota em um pedaço de papel. Tomei esta decisão, pois sabia que, do jeito que sou perfeccionista, iria acabar postando pouco, só porque o texto não está bom; ou, acima de tudo, porque leva tempo para escrever um texto bom. Eu protelaria, naquela lógica perfeccionista de “preciso de tempo suficiente para fazer 100%”, ao invés de me contentar com 80%. Mas, eu percebi, ainda mais pelo seu comentário, o da Day e o da Lou, que a escrita é, sim, muito importante. Então eu acho que decidi continuar o blog por enquanto, mas me dedicar mais à escrita. Tentar escrever textos bem escritos mesmo, sem apelo a soluções fáceis. Eu espero que isto não me faça parar de escrever, heheheh! É que o que você falou, de que isto é, de certa forma, uma ferramenta para eu treinar a escrita, é verdade, e eu não havia pensado nisso. Eu já tenho tão pouco contato com a nossa língua materna, o Português… A minha escrita piorou muito, nossa. As pessoas costumavam dizer que eu escrevia muito bem, agora nem sei mais a ortografia de várias palavras, hehe. Assim, eu acho que vou tentar melhorar nesse aspecto por aqui. Mas como é difícil, não? Eu acho que você escreve muitíssimo bem, seus textos são gostosos de ler e muito afiados na gramática. Eu acho também que você consegue, sim, passar ideias de um jeito simples. Muitas vezes penso: “Caramba, era bem isso que eu queria dizer” ao ler textos seus. 🙂

      Ai, eu sou muito assim mesmo. Eu transformo as coisas em um fardo e depois não aguento, começo a inventar desculpas para parar. Mas sou eu mesma quem cria os fardos.

      Quando você comentou que não falar de religião, por exemplo, não imprime quem você é, pensei que acontece o mesmo comigo. Foi isso que eu quis dizer, que mostrar apenas viagens e coisas felizinhas não imprime quem eu sou aqui, e nem minha experiência de fato na Suécia, que é muito difícil. Ontem mesmo eu estava para baixo, estava triste, com vontade de chorar toda hora. Mas eu não vou fazer um post sobre isso, até porque eu não quero chegar a esse nível pessoal em um blog público. Por outro lado, isso me deixa insatisfeita, pois como já disse, não reflete a experiência mais verdadeira aqui. A ver se eu consigo fazer algo mais meio-termo.

      Olha, a parte das estatísticas não é desanimadora, não, pelo contrário! Eu adoro ver esses termos de busca e não fico frustrada de as pessoas buscarem “imagens eróticas” todos os dias. Eu acho engraçado mesmo! Valéria, não se preocupe que as pessoas não acham o que estavam procurando no seu blog. As coisas não são assim na Internet. As pessoas, geralmente, saem em busca de algo no google, mas encontram várias outras coisas que acabam gostando no caminho. Uma delas é o nosso blog, por exemplo. Mesmo que as pessoas o encontrem porque estava procurando por figurinhas “Amar é…”, elas encontram um blog do qual gostam. Isso não é ótimo?

      Adorei o seu último parágrafo, não foi de louca stalker, não. 🙂

      Beijos!

      Curtir

  4. Ana

    Oi Camila, queria apenas deixar registrado que eu apesar de não te conhecer, sempre que vou ‘buscar’ seu blog no google, busco por Camila Sweden… Cheguei em seu blog a primeira vez pesquisando por brasileiros que viviam na Suécia, principalmente em Linkoping, uma vez que existe a possibilidade de ir viver nesta cidade… Conheci o blog assim e desde então sempre volto para acompanhar suas explorações… não sei se entendi direito mas se está na dúvida se termina ou não o blog por conta de números e etc… talvez valha a pena repensar, pois como eu deve ter outras pessoas. bjs Ana

    Curtir

    1. Oi Ana!

      Tudo bem?

      Obrigada pelo seu comentário, adorei! Fiquei muito feliz de você ter gostado do blog e querer voltar para ver o que mais vou colocando por aqui. Isso, para mim, é extremamente recompensador.

      Não, não tenho pensado em terminar por conta de números, este não é um motivo mesmo. Eu apenas aproveitei o gancho do post sobre os números de 2012 para fazer um balanço e esta é a ideia que tem estado na minha cabeça em relação ao blog.

      Na verdade, em termos de números, o blog nunca esteve melhor. As visitações diárias estão aumentando mais e mais. A reflexão sobre terminar o blog vale mesmo em relação aos dois motivos descritos, o tempo e o propósito.

      De qualquer maneira, espero vê-la mais vezes aqui.

      Um beijo,
      Camila

      Curtir

  5. Camis, eu li esse post uns dias atrás mas estava pensando. Eu dei uma olhada rápida nos comentários da Dayane e da Valéria e acho que concordo com elas mas não li tudo o que elas escreveram.

    Eu lembro que nós conversamos sobre isso. Eu também já pensei muito em parar com o blog porque gasto muito tempo fazendo cada post pra poucas pessoas lerem e menos ainda comentarem. Mas eu andei pensando e acho que a chave para continuar o meu blog é menos fotos. Não que eu não vá postar mais fotos porque eu AMO fotografia mas quero me focar em escrever mais também.

    Eu adoro ler o seu blog porque faz a distância parecer menor. Esse foi um dos motivos pra eu ter o meu blog também. Meus pais, por exemplo, adoram saber cada detalhe do que eu faço por aqui e acho que ficariam mais tristes com a distância se não fosse pelo blog. Pensando dessa maneira, eu vejo que vale a pena ter o blog. Mesmo que não tenha vários comentários e visitantes, meu blog faz diferença na vida de alguém hehe
    E é a mesma coisa com o seu. Eu sei que pelo menos eu, a Carol, a Valéria, a Pamella e a Dayane queremos saber da sua vida e morremos de saudade. Acho que esse foi o primeiro propósito do blog, não foi? Pra mim, esse propósito ainda está aqui. Eu gosto de ler praticamente qualquer coisa que você escreva, já que não podemos conversar pessoalmente quase nunca.

    Eu quero que você continue com o blog e como andei pensando muito nisso sobre o meu blog, vou te dizer as idéias que tive. Eu acho que você devia escrever mais também. Você disse que o foco do blog era mostrar a Suécia e agora você está de volta na suécia então volte a escrever mais sobre isso.
    Você não tem a obrigação de terminar os posts sobre todas as viagens que fez. Eu acho que isso está te deixando frustrada por estar atrasado e tal.
    Você escreve super bem e eu prefiro muito mais as suas descrições e sensações do que ver as ‘informações técnicas’ dos lugares.
    Eu adoro ver as suas fotos também e não queria perder essa parte também então acho que se você diminuir os posts de viagem, você deveria postá-las em algum lugar mais prático tipo facebook, flickr, photobucket, onde você possa pôr todas de uma vez.

    Enfim, espero que você continue o blog porque vou ficar muito triste de não saber suas novidades frequentemente. E se você está se sentindo fora de foco e não está gostando do que está postando, volte a escrever posts sobre o que você gosta e o que te interessa =)

    Curtir

    1. Oi Lou!

      Eeeeeeeee, mais um comentário longo super legal, hehehe… Obrigado!

      Eu pensei bastante no que você escreveu aqui. Viu o que eu escrevi em resposta à Valéria, o primeiro parágrafo, sobre escrita? É isso, e pensei mais nessa parte muito por sua causa.

      Adoro como você é direta e sensata, sem muitos rodeios. 🙂

      A questão do propósito ainda complica. Se eu seguir o que você falou, de escrever sobre o que eu gosto e me interessa, eu vou tratar de várias coisas que não estão aqui ainda, mas muito menos da Suécia, de Linköping em si. Não é porque eu odeie tudo isso, mas é porque, convenhamos, é mais divertido escrever algo sobre um interesse meu, do que explicar o sistema de educaçãod daqui, entende? Mas ao mesmo tempo, eu “deveria” mostrar essas coisas daqui. Ou não, HAHA, que se dane. “Às vezes” a gente pensa demais.

      Eu não faço álbum de fotos no FB, flickr etc porque nunca gostei de ficar colocando fotos para todos verem. Eu não tinha fotos no orkut. Aí comecei este blog e já basta. Já é suficiente mostrá-las aqui. Sem contar que eu arranjaria ainda mais uma rede social para perder tempo. Eu entendi a sugestão, lógico, faz sentido em vez de colocar um milhão de fotos aqui. Mas acho que o blog já é suficiente mesmo. O negócio é colocar um pouco menos de fotos aqui.

      Beijão!

      Curtir

    1. Julian! Quanto tempo!
      Sabe, eu andava pensando em te escrever, em responder um e-mail que você me mandou a tanto tempo, um que você disse que queria me fazer mil perguntas mas se sentia impedido. Eu queria te dizer para você não se sentir assim. Pode perguntar o que quiser. 🙂
      Adorei te ver por aqui.
      Beijão!

      Curtir

  6. Fico feliz em ter ajudado com o meu comentário, pois escrevi de coração. É como a Lou falou, o blog para nós e a forma mais fácil de mantermos contato com você e para mim não importa ordem cronológica, se falou ou não de todas as viagens, se só falou das conquistas sem evidenciar os tropeços. De verdade, adoro ler tudo que escreve aqui! É como em um livro que imaginamos todo o cenário, os personagens, nos familiarizamos e depois que terminamos sentimos a maior falta. Como o blog é assim também, além de imaginar tudo que escreve aqui, penso como você estava no dia que escreveu,. Gostei muito de ver isso no post mais recente em que você disse que estava se recuperando de uma gripe. É isso, adoro o blog e tudo que escreve. Um super beijo!

    Curtir

  7. Camila,
    PÁRA DE PENSAR DEMAIS SOBRE COISAS QUE NÃO EXIGEM, NEM PEDEM QUE SE PENSEM TANTO. PRA QUE TODOS ESTES QUESTIONAMENTOS A CERCA DE UM BLOG? PRA QUE? POR QUE? VAMOS PARAR COM ESTA OBRIGAÇÃO DE QUE TUDO TEM QUE SER PERFEITO, COM MIL OBJETIVOS, COM MUITA INTELIGÊNCIA E MIL UTILIDADES….PRA QUEM TEM QUE SER PERFEITO?
    É TUDO MUITO MAIS SIMPLES DO QUE VCS ESTÃO COLOCANDO AQUI. E CAMILA, VC SABE DISSO, SABE QUE É UM BLOG PRA SUA FAMÍLIA E SEUS AMIGOS INTERAGIREM E ESTAREM PRÓXIMOS E ATUALIZADOS EM RELAÇÃO A TI….PRONTO. SÓ ISSO. SEM NEURAS.
    A QUESTÃO DO TEMPO, SIM, É UMA COISA REAL, QUE VC É QUEM VAI ESCOLHER ENCERRÁ-LO OU NÃO, MAS ESTOU REALMENTE INDIGNADA COM TANTA PERDA DE TEMPO, DISCUSSÕES EM CIMA DE ALGO QUE NÃO É PARA GERAR TANTO DEBATE, ENTENDE?
    SABE PQ VCS SE ESTRESSAM TANTO, COM TUDO? PORQUE SE ESTRESSAM MUITAS VEZES POR NADA!!!!!!!!
    ESTOU ESCREVENDO ASSIM QUE É PARA LHE CHAMAR BEM A ATENÇÃO MESMO. PRA TE “CHACOALHAR” MESMO! PQ FIQUEI BOBA COM TAMANHO TEXTO E COM TAMANHA MOVIMENTAÇÃO QUE SE DEU ESTE TEMA….HAHAHA
    AI AI AI….SÓ DEUS! HAHAHAHA

    Curtir

    1. Carol,
      Eu entendo muito bem tudo o que você quis dizer, mas ainda assim acho muito válido pensar no motivo pelo qual fazemos coisas. Qualquer coisa. Principalmente se essa coisa leva muito tempo e energia. A gente tem muitos interesses e o tempo é curto. Não dá para não pensar na relação propósito X tempo.

      Quando eu escrevi que achava que o blog tinha perdido o propósito, foi porque sempre pensei que a ideia aqui era contar as coisas que eu faço na Suécia. O problema é que depois de um certo tempo, acabou virando álbum de fotos com todas essas viagens. Se eu acabo escrevendo pouco e colocando muitas fotos, então eu deveria apenas ter um álbum online, não um blog. Por isso que o negócio é escrever mais.

      Beijão!

      Curtir

  8. Nossa, o que escrever depois dos comentários da Dayana, Lou e Valéria? Todos expressaram o que todos gostariam de dizer.
    Vc já tinha falado que achava que seu blog dava uma imagem fácil de vida perfeita, mas vc não deve se preocupar com isso. É natural do ser humano achar que o outro é mais feliz, que a vida do outro é mais fácil e que o outro não tem problemas. Nós naturalmente presumimos isso e isso independe de um blog ou uma rede social somente com coisas felizes. Por isso, não se preocupe. Quem te conhece nunca vai menosprezar seus problemas ou te julgar.
    Mesmo não atingindo seu propósito inicial, como vc pode por um segundo achar que os temas estão chatos? Q absurdo! Eu acho seu blog super interessante, sempre me preocupo em o que escrever para não desmerece seu post (nem sempre consigo).
    O que eu acho que você deva fazer, independente de um novo rumo e propósito deste blog e não pensar muito no que as pessoas querem ler, e sim no que vc quer escrever. É isso que importa! Vc não tem este blog para agradar alguém. Quem sente sua falta vai ficar feliz em ler qualquer coisa que vc escrever e quem não te conhece…vc realmente acha que é possível vc escrever algo que não seja interessante??!?
    Agora o comentário da Carol foi bem “puxão de orelha de irmã mais velha”. Mas ela está certa, pare de se preocupar e analisar muito as coisas. Se os temas não te agradam, mude. Mas lembre que se o foco mudou, não há nada de errado com isso. As coisas nem semp tomar o rumo que traçamos e isso pode ser algo bom.

    Curtir

    1. Oi Pam!

      Sabe, eu não me preocupo se as pessoas vão julgar ou menosprezar os problemas. O que me “preocupa” é o fato de o blog muitas vezes estar tão longe da realidade e o efeito que isso pode ter em quem lê. É o fato de, com poucas exceções, não haver problemas aqui. É uma questão pessoal, né. Parece que não, mas eu sou reservada e não gosto de contar as minhas coisas “sérias” assim para todo mundo. O blog é público, então é por isso que muitos dramas não entram aqui. Isso tem um efeito, né. Pode gerar uma superficialidade.

      Ai, Pamella! Como assim medo de não responder à altura? Eu amo qualquer coisa que vocês escrevam aqui, de verdade! Eu não estou nem aí se vocês comentarem coisas nada a ver com o post, eu gosto! É para gerar conversa mesmo, e ainda me dá ideias para outros posts.

      Sim, acho que você está certa em relação à mudança, que não é necessariamente ruim, pelo contrário. E também no quesito escrever sobre o que eu gosto. É assim que a gente faz coisas de qualidade.

      Beijão!

      Curtir

  9. Pingback: Os números de 2013 |

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s