Marrakech – Djemaa el Fna II

Depois da praça, o mercado.

Foi um tanto interessante.

Marrakech – Djemaa el Fna I

Últimos posts da viagem a Marrocos. Djemaa el Fna é, provavelmente, o principal destino turístico em Marrakech. Trata-se de uma praça ampla e um mercado sem fim, onde é possível comprar tapeçaria, tecidos, roupas, temperos, utensílios de cozinha e outras coisas mais. É muito divertido, mas um pouco estressante. Diversas mulheres te perseguem para fazer uma tatuagem de henna. Erik foi atacado por um macaco e uma cobra – os dois pobres animais são usados para fotos e, ao serem arremessados em cima dos turistas, estes acabam sendo convencidos a tirar uma fotinha, né. Nós não tiramos, he.

Rua que leva à praça


Praça

Restaurantes, cafés…

Café-da-manhã, suco de laranja na praça:

Foi um pouco complicado fotografar, pois as mulheres muçulmanas não podem se expor dessa maneira e sair em fotos:

Depois do ataque, aceitei fazer a tatuagem. Eu adoro henna, mas essa não era de boa qualidade, saiu em uns dois, três dias:

Na foto acima, é só caminhar pelo túnel para ir ao encontro das milhares de ruazinhas que compõem o mercado.

Marrakech – hotel

Finalmente, a última parte da viagem a Marrocos, muito divertida. Fomos a Marrakech, cidade muito famosa por abrigar um mercado sem fim. Ficamos em um hotel, que é na verdade um riad. Riads são casas diferentes das ocidentais, pois contêm um jardim interior, onde existe uma fonte. As portas de todos os cômodos levam a esse jardim. É um estilo que valoriza a privacidade e protege os residentes do calor intenso, pois as paredes são, por vezes, feitas de barro.

Quarto de casal

Mensagens retiradas do Alcorão são comuns nas paredes:

Banheiro ao fundo
Jardim interno visto do alto
Fonte

O hotel estava localizado em meio a umas ruazinhas meio assim, assado.

Jardim de Olhão – Agadir

Já que está bem frio por aqui, vale a pena colocar mais algumas fotos da ensolarada Agadir. Este é um parque chamado Jardim de Olhão. Não sei ao certo a história desse lugar, mas aparentemente Agadir é cidade gêmea de Olhão, em Portugal.

Entrada

Depois do Jardim de Olhão, fomos direto à praia, tomar o sorvete legendário (era esse o nome mesmo). Bem baratinho, uma delícia. Como tomar o sorvete legendário em quatro passos:

Sol

O que mais aproveitamos em Marrocos foi o sol. O calor. O nosso hotel tinha piscina.

 

Direto da Suécia -20C para Agadir +25C

 

 

Erik amou

 

 

Minarete de onde se ouviam as preces

 

Tomamos o café-da-manhã/almoço na piscina, um omelete delicioso com salada de tomate e café:

À noite, saimos e encontramos um carrinho fofo de sorvete:

Também descobrimos que não podíamos comprar cerveja:

Aí conseguimos por meios ilícitos:

Pôr do sol em Agadir

Depois de deixar aquele parque cheio de animais fofinhos (mas aprisionados, né), fomos novamente à praia.

As vestimentas das mulheres variam em cor e fundamentalismo, hehe.

É complicado fotografá-las, na verdade elas viram o rosto porque não podem sair em fotos. Assim, eu tinha que ser muito discreta para tentar tirar as fotos, mas discrição não é a minha melhor qualidade:

As redes infernais tambêm estão todas lá: Pizza Hut, Mc Donald’s…

Algumas se vestem inteiramente de preto ou azul marinho:

Homens também usam roupas tradicionais:

Mais mulheres tapando o rosto:

Elas se sentem ofendidas, claro. Provavelmente a maioria das pessoas não gosta de ser tratada como atração turística. Eu não podia deixar de fotografar, porém, porque queria mostrar por aqui o que os meus olhos viram por lá. Sobretudo, o lindo pôr do sol. Depois de caminharmos, sentamos em um restaurante cuja vista era essa:

Bebemos café e fumamos umas cigarrilhas boas….

… até a noite chegar.

Depois, acabamos conhecendo um homem que insistiu em que visitássemos sua loja de temperos, chás, ervas…

Sofá na loja de ervas

Suposto dono da loja

Temperos
Coisas estranhas

Deu um trabalhinho para sair da loja. Entre as ervas à venda, era haxixe que o dono queria vender para a gente… Ele era muito insistente! Em um país onde as pessoas não podem nem comprar álcool livremente, é incrível como é fácil conseguir haxixe. As pessoas oferecem nas ruas.

Marrocos – La Valee des Oiseaux (Vale dos Pássaros)

Sei bem que a viagem a Agadir ocorreu em janeiro e que estou meio atrasada nos posts… Pensei em nem publicar mais as fotos, mas os lugares que visitamos são muito interessantes. Um deles é o Vale dos Pássaros, algo meio como o Orquidário em Santos – muita vegetação e alguns animais. Deixo claro que sou completamente contra a presença de animais em qualquer atração, o que inclui parques como este, circos, zoológicos etc etc. Assim, costumo boicotar esses tipos de locais, mas enfim, era de graça e na metade do caminho para a praia. He.

Entrada

Gostei muito dos bodes:

Este outro pequenino não estava no mesmo cercado:

Este é um tipo de lhama bem dócil, deixa passar a mão, dei comidinha.. Provavelmente está de saco cheio de todos os turistas chatos, o mesmo pode-se dizer do tratador, que fui super gentil conosco, mas no final da contas não tínhamos um centavo para dar de gorjeta: